fbpx

Veja Agora Quem não Pode Fazer Concurso Público!

Quem não Pode Fazer Concurso Público

No universo dos concursos públicos, existem regras claras que determinam quem pode ou não ingressar no serviço público. Embora muitos sonhem com a estabilidade e os benefícios que essas posições oferecem, há critérios específicos que podem limitar a participação de certos candidatos.

Este artigo visa esclarecer quem está impedido de prestar concursos públicos, desvendando os mitos e trazendo à luz as disposições legais. Se você está planejando sua carreira no setor público, continue lendo para garantir que está apto a seguir esse caminho.

Legislação

Conforme explicado por Sillas Vicalvi, especialista em direito administrativo e constitucional, para participar de concursos públicos federais, conforme estabelecido pela lei nº 8.112/90, os candidatos devem cumprir certos critérios. Esses incluem ser brasileiro, estar em dia com os direitos políticos, as obrigações militares e eleitorais, possuir a formação acadêmica requerida para o cargo, ter no mínimo 18 anos e estar apto física e mentalmente.

Embora estados e municípios tenham a liberdade de criar suas próprias regras, eles precisam respeitar os princípios estabelecidos pela Constituição Federal, nos artigos 37 a 41, que tratam da administração pública e seus servidores, orientando as normas para essas seleções.

Vicalvi ressalta, porém, que há ocasiões em que os editais dos concursos não seguem estas leis. Nesses casos, os candidatos afetados têm o direito de buscar a justiça, podendo solicitar uma liminar para assegurar sua nomeação.

‘Nome sujo’

Um dos aspectos pouco discutidos, mas de grande relevância no processo de seleção de candidatos aprovados em concursos públicos, é a situação do nome “sujo”, ou seja, a presença do nome do candidato em cadastros de inadimplentes, como SPC e Serasa. Esse fator pode, sim, ser um empecilho para a assunção de determinadas vagas, especialmente aquelas que exigem a gestão de recursos financeiros ou cargos de confiança.

A legislação brasileira não prevê de forma direta a exclusão de candidatos aprovados em concursos públicos por estarem inadimplentes. Contudo, dependendo do cargo e das responsabilidades associadas, a análise de crédito pode fazer parte do processo de investigação social ou da análise de idoneidade moral e financeira. Isso ocorre porque se entende que a capacidade de gerenciar as próprias finanças pode refletir na habilidade de administrar recursos públicos.

Entretanto, essa prática deve ser avaliada com cautela e sempre considerando o princípio da proporcionalidade. A exclusão de um candidato apenas por ter o nome em cadastros de inadimplentes sem avaliar o contexto e a natureza das dívidas pode ser questionada judicialmente. É importante que o edital do concurso seja claro quanto às exigências e critérios de seleção, garantindo transparência e igualdade de oportunidades a todos os candidatos.

Em resumo, embora ter o nome “sujo” possa representar um obstáculo para a posse em alguns cargos públicos, cada caso deve ser analisado individualmente. A recomendação para os candidatos em tal situação é buscar regularizar sua situação financeira e, se necessário, assessorar-se juridicamente para defender seu direito de posse, caso entendam que a exclusão não se deu de forma justa ou proporcional.

Ação penal

Estar envolvido em processos criminais ou possuir registros de ocorrências policiais não impede automaticamente a posse em um cargo público. No entanto, é necessário que o candidato demonstre que não houve condenação final contra ele.

Existem, porém, exceções importantes para essa regra, especialmente para posições como juiz, promotor e membros das forças policiais, onde os critérios são mais rigorosos e qualquer histórico nesse sentido pode ser um fator de desqualificação.

Exoneração e demissão

A decisão de deixar um cargo público por vontade própria, conhecida como exoneração, não cria obstáculos para que a pessoa assuma uma nova posição em outro cargo público no futuro.

Por outro lado, se um servidor for desligado do serviço público devido a práticas de improbidade administrativa ou por ter cometido crimes contra a administração pública, ele terá de aguardar um período de até 10 anos antes de poder ocupar um cargo novamente ou participar de outro concurso público.

Parentes

A presença de familiares trabalhando no setor público não constitui, de acordo com a legislação federal, um obstáculo para a nomeação de um candidato. Entretanto, caso esse candidato seja aprovado para uma unidade onde um familiar direto, até o segundo grau, já atue, será necessário realocá-lo para outra unidade.

Sillas Vicalvi destaca que existem estados, a exemplo de São Paulo, que possuem legislações específicas proibindo a nomeação de parentes na mesma unidade administrativa, como uma medida para prevenir o nepotismo.

Obrigações eleitorais

De acordo com Vicalvi, um candidato não pode ser empossado em cargo público se estiver irregular com suas obrigações eleitorais ou se tiver seus direitos políticos suspensos. “Caso o indivíduo não tenha votado ou justificado sua ausência nas últimas eleições, por exemplo, ele fica impedido de ingressar no serviço público”, ele explica.

Vicalvi esclarece que possuir direitos políticos significa estar apto a votar. A perda desses direitos impede a posse do candidato, situação que pode ser desencadeada por condenações por atos de improbidade administrativa, sentenças penais condenatórias, ou por ser declarado civilmente incapaz (como em casos de insanidade mental). Por outro lado, condenações na esfera civil, como o não pagamento de pensão alimentícia, não resultam na suspensão dos direitos políticos.

Idade

A idade pode ser um fator determinante para a posse em determinados cargos públicos, conforme estipulado pelos editais de concursos. Existem dois aspectos principais a considerar: a idade mínima e a idade máxima.

A idade mínima geralmente está relacionada à maioridade legal, que é de 18 anos no Brasil. Isso significa que o candidato deve ter, no mínimo, 18 anos completos no momento da posse. Essa regra visa assegurar que o indivíduo tenha capacidade civil plena para assumir as responsabilidades do cargo.

Prepare-se para ser aprovado com excelência!

Por outro lado, a questão da idade máxima é mais variável e depende especificamente do cargo e do órgão que oferece a vaga. Alguns concursos, especialmente aqueles para forças armadas, polícia e bombeiros, estabelecem idades máximas devido às exigências físicas inerentes às funções. Outros cargos públicos podem impor limites de idade com base na legislação específica ou na política interna do órgão.

É importante ressaltar que a fixação de uma idade máxima deve estar justificada pela natureza do cargo e ser razoável, para evitar discriminação. Há discussões jurídicas sobre a constitucionalidade de limites de idade máxima, especialmente em casos onde não há justificativa clara para tal restrição.

Aposentadoria

Um indivíduo que já tenha se aposentado de um cargo público enfrenta restrições para assumir nova posição como servidor, salvo em situações específicas. Essas exceções incluem a possibilidade de acumular dois cargos na área da saúde, dois cargos de docência, a combinação de um cargo de professor com outro técnico ou científico em pesquisa, ou a ocupação simultânea de cargos no judiciário, como juiz ou promotor, com um de professor. Contudo, a aposentadoria proveniente do setor privado não constitui um obstáculo para o ingresso no serviço público.

Da mesma forma, uma pessoa que já ocupa um cargo público somente pode assumir um novo posto nas condições excepcionais mencionadas.

Quem já foi condenado pode prestar concurso público?

Sim, é possível a nomeação e posse em cargo público de candidatos que tenham sofrido condenações criminais, desde que o tipo de crime não seja incompatível com as funções do cargo pretendido, entre outros critérios.

Em uma decisão importante, o Supremo Tribunal Federal, ao analisar o Recurso Extraordinário 1.282.553, com repercussão geral reconhecida, determinou que a suspensão dos direitos políticos, decorrente de condenação criminal com trânsito em julgado, conforme previsto no artigo 15, inciso III, da Constituição Federal, não constitui, por si só, um impedimento para a posse em cargos públicos.

Esta decisão se baseia no entendimento de que tal restrição não deve contrariar os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e do valor social do trabalho, além de considerar o papel do Estado em facilitar a reintegração social do indivíduo condenado, conforme estabelecido no artigo 1° da Lei de Execuções Penais (Lei 7.210/84). A efetivação no cargo, contudo, está sujeita ao cumprimento da pena ou à avaliação judicial específica sobre a compatibilidade dos horários da pena com o exercício das funções.


Compartilhe esse conteúdo com um amigo? Fique aqui e veja mais conteúdos como este de hoje, certinho?

Concursos Abertos e Previstos

Receba as notícias mais importantes do mundo dos concurso públicos no seu celular gratuitamente! Clique no link abaixo e faça parte gratuitamente:

Garanta seu futuro com um cargo público!

Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Boa Prova Gostaria de receber notificações sobre concursos e aulas gratuitas?
Já sei tudo
SIM, COM CERTEZA